Os pais que nunca pisaram um Lego pontiagudo quando se dirigiram, à noite, à cama de um filho doente que atirem a primeira pedra!  O mesmo para os que estão sempre a gritar «arruma o quarto»! Se simplificarmos um pouco a vida dos nossos filhos encontraremos o nosso equilíbrio.

Comecemos por alguns princípios básicos

Princípio n.º 1: os seus filhos sabem arrumar, desde o infantário.

Verdade. Na escola arrumam. Pergunte ao professor. A arrumação não é, portanto, uma tarefa atribuída ao adulto de referência, que já se esforça o suficiente para realizar as suas próprias tarefas, dar banho, alimentar e divertir a sua descendência.

Princípio n.º 2: ninguém quer brincar a algo que não é divertido

Conhece os seus filhos: sempre prontos para brincar, fazer uma corrida, acreditar em contos de fadas.  Temos de aproveitar. Para arrumar temos o direito de nos divertir: junte tudo no centro da divisão e esconda um bombom debaixo da pilha: o primeiro a encontrar ganha. Ou cronometramos e fazemos uma corrida. Ou, a partir do centro da divisão, atiramos alguns brinquedos Playmove com os olhos fechados tentando acertar na caixa correta. Ou arrumamos a ouvir música. Cabe a nós, adultos, tornar esta «faxina» tão atraente quanto possível.

Princípio n.º 3: lavam os dentes todas as noites? Também se arruma todas as noites

Nunca se sentiu desencorajado(a) perante uma montanha de coisas por fazer? Os seus filhos também. Arrumar uma semana de jogos e brinquedos de uma vez é bastante duro. Em contrapartida, fazê-lo todos os dias depressa se torna um hábito automático (que poderá ser-lhes útil mais tarde).

Princípio n.º 4: quanto mais simples for a arrumação, melhor funciona

Se o seu sistema de arrumação for demasiado sofisticado porque foi criado com um cérebro de adulto, será o(a) único(a) a conseguir mantê-lo com o passar do tempo. Por isso, simplificamos ao máximo.

O que é uma arrumação simples?

  • caixas abertas, cestos. Quanto menos manuseamentos, melhor.
  • temas fáceis de compreender. Por exemplo: peluches/carros/Barbie/Lego…
  • arrumamos onde brincamos, na medida do possível. Ou então caixas com rodas e pegas.

Princípio n.º 5: um «ligeiro» caos encoraja a criatividade

Não é muito grave se os jogos de construção forem arrumados na mesma caixa dos animais de plástico e dos carros pequenos. Francamente, não nos importamos. De qualquer forma, misturam tudo quando brincam, criam histórias, circuitos… Este espaço de criatividade é necessário para o seu crescimento. Temos de saber deixar de lado (um pouco) o nosso perfecionismo.

MATERIAL IDEAL PARA UM QUARTO BEM ARRUMADO

Prefira várias caixas de tamanho razoável, adaptado às mãos das crianças. Mas pense no tamanho do conteúdo que selecionou. Se o seu filhote adorar jogos de construção, não se esqueça de que receberá muitos no aniversário e no Natal, durante vários anos. Antes de comprar qualquer caixa ou arca, adicione sistematicamente 30 % de volume para encontrar o tamanho ideal.

As crianças não são conhecidas por serem meigas com os objetos utilitários: lembre-se antes de comprar um lindo cesto ou uma caixa com os seus heróis preferidos. Em suma, queremos algo robusto.

Como as categorias dos brinquedos devem ser fáceis de identificar, um móvel com gavetas diferenciadas é melhor. Se não tiver, para os mais jovens pode criar etiquetas desenhadas.

Porque não desviar os espaços de arrumação da cozinha quando se trata de pequenos objetos ou de artigos que têm de ficar separados uns dos outros? Por exemplo, um organizador de gavetas para arrumar pincéis e canetas ou caixas transparentes para os pequenos acessórios de bonecas.

Os livros dos pequenos organizam-se de frente, em recipientes, como as Essentials.

Em relação a objetos compridos, que necessitem de montagem, disfarces ou jogos de exterior, a arrumação ideal é, claramente, debaixo da cama.

Um último conselho: a triagem dos brinquedos faz-se, pelo menos, duas vezes por ano.