Para inúmeras famílias, a arrumação da entrada é um verdadeiro quebra-cabeças. Todos passamos por ela, várias vezes por dia e, se não tivermos cuidado, depressa se torna uma desarrumação. Um armário mal concebido, um espaço estreito e tudo se complica! Como arrumar a sua entrada para evitar crises de nervos?

Os indispensáveis

  • Um espelho (no qual todos se possam ver, em pé, se possível).
  • O local para se sentar (cadeira, banquinho ou banco de acordo com o tamanho da entrada).
  • Um local para pendurar casacos e casacões (verificar se os ganchos são suficientemente largos para que os casacões fiquem bem seguros e fixar alguns à altura das crianças).
#miroir #entrée #corridor #antichambre:
décoration pour une entrée:

As Falsas Boas Ideias (FBI)

  • O cabide «bengaleiro». Muito simpático no café da esquina, complica a vida das crianças e arrisca-se a cair quando está sobrecarregado, ou seja, sempre.
  • Cabides em metal no guarda-roupa. Oferecidos pela lavandaria, emaranham-se, danificam as roupas e deformam-se com o peso dos casacos.
  • A mesinha ou até mesmo o aparador de entrada: práticos, claro. Mas, muitas vezes, tornam-se a lixeira familiar, cada um coloca aí embalagens de bolachas vazias, cartas, chaves, telemóveis…

 

O que ganharíamos se tivéssemos numa entrada

  • Um pequeno caixote do lixo para a publicidade em papel, pastilhas mastigadas, bilhetes de metro ou de parqueamento…
 
  • Uma prateleira instalada sobre a porta, para aí colocar os sapatos e acessórios fora da estação, sem obstruir o espaço visualmente. Ou ainda algumas pastas de arquivos de que cada lar necessita. Ou, porque não, os aparelhos de utilização pouco frequente (raclette, por exemplo)?

Otimizar a arrumação do armário da entrada

Um armário padrão tem cerca de 60 cm de profundidade, o que é perfeito para pendurar casacos. Em contrapartida, esta profundidade depressa pode tornar-se problemática porque não se vê nado do que se encontra no fundo, por cima ou por baixo do varão.

Como tirar o melhor partido desta grande profundidade se não existirem gavetas?

Debaixo dos casacos pendurados colocamos uma caixa com rodas (Caixa têxtil com rodas). Aí colocamos os sapatos, independentemente do formato (botas, botins…). E deslizamos.

Aproximamos as prateleiras. Adaptando a altura das prateleiras de forma mais exata em relação ao que pretendemos aí arrumar evitamos perder espaço em altura. Desta forma, conseguimos poupar até o dobro do espaço de arrumação. Vale a pena pensar nisto.

 

Organizamos o conteúdo das prateleiras em função da frequência de utilização: o que usamos frequentemente deve ser colocado a uma altura entre os joelhos e os ombros. Em consequência, é inútil ocupar este espaço precioso com objetos de utilização sazonal. Por exemplo, se temos meninas em casa, podemos arrumar a escova de cabelo, elásticos e acessórios para cabelo numa pequena caixa rosa como a Infinity, numa altura prática porque, para diversas famílias, é frequente a entrada ser o local onde ocorre a operação de pentear.  Mas o material de piquenique será armazenado no topo, numa caixa transparente.

Para identificar melhor o conteúdo da prateleira no topo, podemos colar etiquetas efetuadas com uma rotuladora na parte da prateleira. Desta forma, todos saberiam onde encontrar os edredões ou as lâmpadas para trocar.

Por fim, equipamos o interior das portas dos armários com ganchos: guarda-chuvas, raquete no estojo, trela do cão, chaves… Com ganchos «especializados» ainda podemos guardar sapatos ou material doméstico, de acordo com as necessidades.